A praça virtual

Por F3 Arquitectura

No artigo anterior, falávamos do trabalho que se estava a realizar em relação à viralização da arquitetura e de como as restantes disciplinas aderiram a esta revolução tecnológica sem pensar duas vezes. Passando novamente revista a esta perspetiva que vincula Internet e Arquitetura, desta vez queremos centrar-nos na forma como se criou a arquitetura, em termos de espaço de relação, sem tijolos nem argamassa. Redes de dados e mais dados.

Somos a geração dos ecrãs. Olhes para onde olhes, há sempre algum, já seja próprio ou alheio, a fazer trocas de informação com o utilizador. É curioso como se passou, quase da noite para o dia, a comunicar e a conviver de uma maneira totalmente diferente.

Comunicar e COM-VIVER. Porque, se há coisa que esta revolução nos trouxe, foi uma nova forma de vida, uma nova forma de estar e uma nova maneira de estar ligado. E é nesta ligação onde a arquitetura “perdeu” o seu espaço. Porque para nos relacionarmos, precisamos de espaço e de tempo.

O espaço foi roubado pelas redes sociais, transformando-se na nova praça virtual, o novo lugar de encontro, onde contar como estão a correr as férias sem necessidade de escrever cartas, onde ver no que estamos a trabalhar e até conhecer os amigos dos amigos.

É claro que as relações também precisam de tempo. Um tempo que começa quando um bebé aprende a desbloquear um telemóvel antes de aprender a falar. Um tempo que continua durante o nosso crescimento, onde se chega a estar entre 4 e 5 horas nesta praça virtual que todos ajudámos a criar.

Continuamos a crescer e interessa-nos saber como chegam tantas pessoas a determinados conteúdos. Porque a esta praça virtual, como a todos os lugares, temos que chegar de alguma maneira. As ruas que nos levam a estas praças, obviamente, terão lojas, casas, edifícios administrativos e… Jura?! Uma montra!

Tornámo-nos marketers digitais.. e porque não? Já que fazemos um trabalho que leva muitas horas e que nos custou uma longa formação, vamos ensiná-lo e mostrá-lo aos habitantes desse meio digital, mas como deve ser!

É-te familiar esta imagem que não diverge assim tanto do que estamos a falar?

É indiferente se são elementos construídos, renders, collages, documentos de pesquisa, blogs de arquitetura, blogs de não-arquitetura, arquitetos e não-arquitetos, seja o que for; tudo acaba nesta viralização da arquitetura, da que já falámos. Devagar, devagarinho… passo a passo. A trabalhar e bem. Porque mostrar um bom trabalho também é uma forma maravilhosa de estar ligado, de relacionar-se e de entrar nesta praça virtual onde todos nós brincamos, estamos e passamos tempo. Além disso, deve-se aprender a mostrar e a saber a quem devemos fazê-lo e de que maneira… Mas isto soa a marketing e venda, ?

Ou seja, outro “sarilho” onde nos teremos que meter…

E tu? Qual é a tua opinião sobre esta praça virtual? Deu-nos coisas positivas ou negativas? Devemos ganhar coragem e mostrar o nosso trabalho ou devemos guardá-lo? Ficamos na praça ou saímos à rua?


Por F3 Arquitectura
Texto traduzido por Inês Veiga
Autor:
La Fundación Caja de Arquitectos se constituye como Fundación cultural privada el 23 de Mayo de 1990, con el objetivo de promover y fomentar fines de carácter cultural, social, asistencial, profesional y formativo en el campo de la arquitectura, la construcción, el diseño, el urbanismo y, en general, de todo aquello relacionado con la actividad de los arquitectos.

Deja un comentario

Tu correo no se va a publicar.

*

Últimos posts