A viralização da arquitetura

Autor: F3 Arquitectura

Ligamos a televisão e vamos mudando de canal: concurso de melhor cozinheiro, série sobre a vida dos médicos num hospital, programa que filma a ação de uma patrulha policial, documentário sobre as últimas escavações arqueológicas ou a preservação do meio natural… Passamos então à nova “segunda televisão”, YouTube: canal de moda para mostrar os melhores oufits deste verão, canal de acessórios onde podemos estar a par das últimas tendências, canal de videojogos com as últimas novidades e os melhores jogadores do país, canal de música com os novos êxitos do setor…

Cozinha, medicina, biologia, moda, videojogos, tecnologia e um longo et ceteraE a arquitetura, onde é que está? Ficámos para trás no que aparenta ser a viralização das disciplinas? Tem alguma coisa a ver com a imagem que a sociedade tem da arquitetura e dos seus profissionais? Continua a arquitetura a estar nesse pedestal do qual queremos e devemos descer?

Estamos a vivenciar uma revolução tecnológica na qual aumentámos o espaço do lar através dos nossos múltiplos ecrãs e tivemos que ampliar os arquivadores da nossa cabeça para acumular toda a informação que nos bombardeiam através das mesmas. No meio de todo este caos, muitas disciplinas viram uma brecha que podiam aproveitar para promover os seus conhecimentos e experiências. No entanto, a arquitetura parece ter ficado para trás – sem menosprezar o querido trabalho de “Ted Mosby, arquiteto” (peço desculpa por não ter encontrado em VO).

A arquitetura, agora mais do que nunca, deve ser uma disciplina plural que tenha em consideração todos os participantes de um projeto e deve gerar uma conversa ao redor do mesmo, tanto com os clientes como com os “afetados”. Até há muito pouco tempo, a arquitetura procedia dos conhecimentos do Monte Olimpo, desde onde os deuses desceram para deixar a sua marca na Terra. Pois olha, não. Essa imagem que a sociedade tinha sobre a profissão possivelmente nos esteja a contrabalançar quando se trata de projetar a disciplina de modo a que todos possam aprender e desfrutar dela tanto como nós o fazemos.

Felizmente esta imagem está a mudar, e vale a pena mergulhar de vez em quando nas redes sociais para descobrir algumas situações mágicas:

  • @Arcitecta já tem mais de 55.000 seguidores no Twitter
  • @Lopedetoledo criou o hashtag #JuevesDeArquitectura que acumula mais de 500 tweets e quase um milhão de comentários semanais.
  • @Arquitectamos mostra através de Twitter um graffiti em Madrid que proclamava “La culpa de todo es de Le Corbusier” (A culpa disto tudo e do Le Corbusier), a qual se traduziou em mais de 1.500 retweets e 2.200 likes.

A arquitetura tem a sua parte divertida, coquete, atrativa e que cativa, e isto é visível nas redes sociais. Há meios de comunicação que ainda se resistem, como a televisão ou os canais do YouTube, mas podemos sentir uma certa evolução em direção à viralização da arquitetura.   Deixemos o debate aberto. Esta pré-viralização é positiva ou negativa? A profissão necessita disto ou é apenas uma moda que podemos deixar escapar?


Texto traduzido por Inês Veiga.

 

Autor:
La Fundación Caja de Arquitectos se constituye como Fundación cultural privada el 23 de Mayo de 1990, con el objetivo de promover y fomentar fines de carácter cultural, social, asistencial, profesional y formativo en el campo de la arquitectura, la construcción, el diseño, el urbanismo y, en general, de todo aquello relacionado con la actividad de los arquitectos.

Deja un comentario

Tu correo no se va a publicar.

*

Últimos posts