1

A série documentário de arquitetura emitiu-se às quartas-feiras, às 21h no canal 2  – horário e canal espanhol – (horário que fez com que odiasse o futebol) e pode ser visto no site da TVE a la carta.

2

Embora observe com alegria que alguns fotógrafos estão a tentar mudar este hábito. O trabalho de Ana Amado sobre Torres Blancas é mais fragmentário do que o normal, e o trabalho sobre estes fragmentos explica melhor o projeto do que uma fotografia geral descarnada. No mesmo sentido, o trabalho que Antonio Navarro Wijkmark costuma fazer com a obra de Batlle i Roig também está baseado na lógica do fragmento. E, afortunadamente, não são os únicos.

Algumas interioridades de #escalahumanatve

Fotografia (c) Matilda Vidal de Llobatera

O facto de ter participado em Escala Humana1  permite-me constatar o que já intuía pelas minhas experiências prévias com o tema audiovisual: a grande semelhança que existe entre a produção de uma série de televisão e uma obra de arquitetura. O porquê é fácil de explicar. As duas coisas fazem-se através de projetos de idêntica estrutura. Primeiro esboçam-se ideias, escreve-se, desenha-se, planifica-se e faz-se o orçamento para chegar à fase de obra (fase de rodagem) onde esta planificação ingente serve basicamente para improvisar melhor e produzir um material que entrará na sala de montagem para, posteriormente, ser pós-produzido. Até que se cumpra todos os passos, a magia não acontece.

Tentei ilustrar esta complexidade em quatro pontos:

1_ Qual é o propósito de filmar livros.

A equipa de Escala Humana, especializada em produção cultural, já levava uns aninhos a realizar programas sobre literatura. Tentem-se pôr no papel do realizador: um livro é um objeto com duas capas e algumas páginas com letras, escrito por alguém que basicamente sabe fazer isso mesmo, escrever. Não falar. Não atuar à frente de uma câmara. Isso (o livro, não o escritor) é só pôr à frente da cara e vai transmitindo uma mensagem. Filmar é seco. Tremendamente seco. Seco e abstrato. Os recursos que foram usados para conseguir mostrar, através da televisão, o mundo dos livros sem a) filmar um filme e b) que acabasse por ser uma grande foleirice, serviram para mostrar aspetos da arquitetura tão importantes como abstratos e, portanto, difíceis de filmar: desde processos de projeto à acessibilidade, o urbanismo de género ou a reciclagem. Tudo isto minimizando o uso de plantas e esquemas.

2_ Conservar o Síndroma de Stendhal.

A equipa de rodagem filmou a igreja de Iesu, de Rafael Moneo, no final de uma semana esgotadora. Vamos filmar uma igreja que tem um supermercado, assim o disseram elas, meio resignadas (digo “resignadas” porque a equipa de Escala Humana é maioritariamente feminina). Soa um whatsapp: Jaume, porque é que não nos avisaste que isto é TÃO bonito? Estamos emocionadas! Afogados pela quantidade de publicações, damos por garantido que toda a gente conhece os projetos que normalmente mencionamos, mas não. Sobrepuseram-se, tiraram as câmaras e filmaram. Agora falo por mim: vi muito pouco cinema de arquitetura. Vergonhosamente pouco. The competitionMy architect e pouco mais. Esta curta bagagem dentro da produção convencional tem sido a maneira de conseguir manter um tom próprio, fresco, afastado das publicações. As fotografias de arquitetura contemporâneas têm a tendência de abrir o plano.2 E a televisão, de o fechar. As imagens das revistas têm a tendência de ser estáticas. As nossas, dinâmicas. Se prestamos atenção, bastante atenção, vemos que o cinema mostra a arquitetura dentro de uma ação. E é desta forma que filmamos os diferentes projetos que mostrámos: através de uma ação, do movimento, do uso.

3_ A montagem resolve tudo.

A linguagem televisiva baseia-se na montagem. É nesse ponto que os programas realmente são feitos, quando se juntam fragmentos curtos de filmagens e quando se ritma tudo com aquele espírito de ilusionista: a voz, a música e o grafismo dizem o quê e quando olhar para alguma coisa. A montagem pode ser usada um pouco como um Photoshop de televisão. Mas, tal como no Photoshop das fotografias, se a base não é boa, não há muito que se possa fazer para as arranjar.

4_ The multidisciplinar thing.

Reparem na foto: a pessoa que está a agarrar no lençol para refletir a luz é Jaume Clèries, realizador do programa. Na televisão todos fazem de tudo um pouco: guionistas que apresentam, produtores que maquilham, câmaras que montam… Este programa só foi possível graças a uma equipa entusiasta que trabalhou muito além das tarefas para as quais foram contratados. A graça está em somar: claro que temos guionistas, realizadores, montadores, cada um com uma determinada tarefa que não perderam em nenhum momento este espírito todo-o-terreno. Todas estas sensibilidades, todo este entusiasmo, estão representados no resultado final e (estou convencido disso) é o principal valor deste programa. As histórias deram para tanto que seria perfeitamente possível fazer um spin off de cusquices, que se denominaria Escala Deluxe. Arrasaríamos!

Notas de página
1

A série documentário de arquitetura emitiu-se às quartas-feiras, às 21h no canal 2  – horário e canal espanhol – (horário que fez com que odiasse o futebol) e pode ser visto no site da TVE a la carta.

2

Embora observe com alegria que alguns fotógrafos estão a tentar mudar este hábito. O trabalho de Ana Amado sobre Torres Blancas é mais fragmentário do que o normal, e o trabalho sobre estes fragmentos explica melhor o projeto do que uma fotografia geral descarnada. No mesmo sentido, o trabalho que Antonio Navarro Wijkmark costuma fazer com a obra de Batlle i Roig também está baseado na lógica do fragmento. E, afortunadamente, não são os únicos.

Autor:
(Barcelona, 1975) Arquitecto por la ETSAB, compagina la escritura en su blog 'Arquitectura, entre otras soluciones' con la práctica profesional en el estudio mmjarquitectes. Conferenciante y profesor ocasional, es también coeditor de la colección de eBooks de Scalae, donde también es autor de uno de los volúmenes de la colección.

Deja un comentario

Tu correo no se va a publicar.

*

Últimos posts