1

A expressão surge por primeira vez a meados do séc. XIX num poemário do político e escritor vallisoletano, Juan Martínez Villergas.

2

Charles Cretors foi o inventor da moderna máquina de fazer pipocas, e o fundador da que ainda hoje é uma das principais empresas do sector, Cretors.

 

3

Denominada originalmente Technicolor Refreshment Trailer No. 1.

Arquitetura pipoqueira

 

Fotograma do filme “Picnic” (1955), com Kim Novak e o polémico experimento publicitário de James Vicary.

Há um velho ditado castelhano cuja tradução seria “soprar e sorver não pode ser”.1 E há outras duas atividades que também não se deveriam realizar simultaneamente: comer e ver um bom filme ao mesmo tempo. Os efeitos disso não só são prejudiciais cinematográfica e gastronomicamente, como também o são, muitas vezes, gastricamente. Mas, apesar disso, existem coisas como os Dine-In-Theatres.

 

A origem desta aberração procedente dos Estados Unidos, como não poderia deixar de ser, encontra-se numa coisa tão simples como um bago de milho. Alguém descobriu, possivelmente há mais de 5.000 anos, que com o simples ato de aplicar calor poderia transformar aquele bago enfadonho em algo diferente, com formas muito mais apetecíveis, adequadas para o consumo humano massivo. Foi assim que nasceram as que hoje são omnipresentes e intimamente ligadas ao cinema, as pipocas de milho.

 

No entanto, esta união não foi imediata. As pipocas era, nos Estados Unidos, um produto associado fundamentalmente a certos espetáculos como o circo ou as lutas de boxe, considerados estritamente lazer e que podiam assumir a sujidade, o cheiro e principalmente o ruído inerentemente associados a este produto, e não a algo como o cinema, que aspirava ter o seu próprio status dentro das artes. O único sítio onde o consumo de pipocas era compatível com o desfrute de um filme era dentro de um carro num Drive-In-Theatre.

 

No entanto, os cinemas tradicionais foram aos poucos sucumbindo ao encanto, sobretudo económico, deste aperitivo que nos anos cinquenta passou de ser um mero complemento que acompanhava a visualização do filme a ser o principal objeto de venda no interior dos cinemas. Em poucos anos, o consumo de pipocas durante as projeções passou de proibido a promovido, como mecanismo destinado a salvar um sector em crise, condenando os filmes, em ocasiões, por ser uma mera desculpa para a ingestão dos atrativos, porém insalubres, produtos oferecidos por alguns bares que, presididos pela inefável máquina dos Cretors,2 já ocupavam um lugar privilegiado nos halls dos cinemas.; halls que foram incentivados a incluir trailers específicos, como o clássico “Let’s All Go to the Lobby3 ou de maneira mais agressiva através de duvidosos experimentos como o de James Vicary, com os quais a experiencia cinematográfica, assim como a sua pretensão de ser considerada uma forma de arte séria e respeitável, ficava irremediavelmente desvalorada.

 

Tenho de admitir que, apesar de tudo, até gosto de pipocas. Parecem-me saborosas, divertidas e às vezes até as como enquanto visualizo algum êxito de bilheteira esquecível. De facto, há pouco ofereceram-me um novo modelo de máquina de fazer pipocas. Disseram-me que este não tem como objetivo revolucionar o cinema, mas outro sector que atravessa a sua própria crise de identidade: a arquitetura. Eu, como conheço a experiência prévia, não sei se será para dar um passo para algo melhor. Só espero que os seus produtos não sejam tão indigestos.

A minha nova popcorn maker. Eu chamo-a Patrik.


Texto traduzido por Inês Veiga.
Notas de página
1

A expressão surge por primeira vez a meados do séc. XIX num poemário do político e escritor vallisoletano, Juan Martínez Villergas.

2

Charles Cretors foi o inventor da moderna máquina de fazer pipocas, e o fundador da que ainda hoje é uma das principais empresas do sector, Cretors.

 

3

Denominada originalmente Technicolor Refreshment Trailer No. 1.

Autor:
(Gijón, 1981) Arquitecto (2005), máster en restauración arquitectónica y doctor en urbanística y ordenación del territorio por la Universidad de Valladolid. Compagina la práctica profesional vinculada a la planificación urbanística con la docencia en el área de proyectos arquitectónicos. Sus intereses giran en torno a la representación e interpretación cultural del territorio, los medios de comunicación y la disolución de los límites disciplinares.

Deja un comentario

Tu correo no se va a publicar.

*

Últimos posts