Ai, Platão

 

(Ilustración: Fotografia da casa Fransworth, de Mies van der Rohe, da autoria de Zbigniew Bzdak, para o Chicago Tribune).

Há umas semanas vimos esta fotografia e voltámos a falar (nunca deixamos de o fazer) de que uma das joias que mais amamos, da autoria de um dos arquitetos que mais admiramos, se costuma inundar devido à enchente do rio em cujas margens está situada.

A casa está ligeiramente elevada acima do solo para estar protegida das subidas de nível da água, e quase sempre o consegue, mas às vezes sobe mais do esperado e entram no templo sagrado, inundando móveis, pavimentos, cortinas e tapetes.

Na fotografia vemos que o caudal descontrolado do rio impede entrar e sair da casa, exceto de barco, mas parece respeitar o seu interior. Isso não nos preocupa (logo desce!), o que nos preocupa é o mau estado da cobertura. Isso sim, é imperdoável.

Mies van der Rohe lutou muito contra Platão, e por momentos parecia que ia ganhar. O filósofo dissera que qualquer coisa neste mundo real não passa de uma pálida sombra da ideia, e que nos é impossível alcançar algo palpável e concreto que tenha aquela perfeição inalcançável das nossas intuições e das nossas vontades. A isso, o arquiteto respondeu desafiando o filósofo, os deuses e a matéria, e propôs-se a si mesmo conseguir algo muito simples, mas perfeito. Um mero paralelepípedo sem adornos nem curvaturas, sem complexidades, sem exuberâncias, mas irrepreensível. De modesto nada havia nesta abordagem. Era precisamente o contrário: uma aposta em ser mais que um ser humano, mais que um corpo de carne e osso, mais que uma entidade mortal. Era uma ânsia angelical e um desafio luciferiano contra os deuses. (Perante esta soberbia, de que valiam as protestas de uma cliente ou de um construtor?)

Sem chegar a estes extremos obsessivos e sobre-humanos, aqueles que tentam fazer arquitetura e aqueles que falam dela, enganamo-nos muitas vezes ao pensar que esta pode conseguir um espaço limpo, uma expressão pura e honesta. Um esforço em vão; um fracasso sempre anunciado e antecipado.

Já nos caiu o coração aos pés quando nos mostraram o nefasto e sujo algeroz deste mesmo templo, coisa verdadeiramente vergonhosa e sórdida; mas agora, quando vemos aquela cobertura repugnante, cheia de escorridelas que acompanham as linhas das vigas formando manchas e máculas, perguntamo-nos se essa tentativa valeu a pena ou se foi tudo uma grande farsa, um retumbante imersão na putrefação e no vitupério.

Se o trabalho deste descomunal herói caiu desta maneira tão grotesca na desgraça, o que acontecerá, então, às nossas humildes intentonas? É evidente que está tudo perdido de antemão, e que pretender que a arquitetura tenha esse toque sublime é um erro. Devemos estar cientes (acho que o estamos quase todos) de que o máximo que podemos aspirar é trabalhar de maneira honrada, fazer obras imperfeitas, mas que nessa sua imperfeição nos ajudem a viver bem e a saber com toda a certeza de que tanto elas como nós tendemos à cruel entropia, à imperfeição, à derrota, à morte e ao esquecimento, mas claro, também à felicidade quotidiana (ou pelo menos ao consolo) da trivialidade.


Texto traduzido por Inês Veiga
Autor:
Soy arquitecto desde 1985, y desde entonces vengo ejerciendo la profesión liberal. Arquitecto “con los pies en el suelo” y con mucha obra “normal” y “sensata” a sus espaldas. Además de la arquitectura me entusiasma la literatura. Acabo de publicar un libro, Necrotectónicas, que consta de veintitrés relatos sobre las muertes de veintitrés arquitectos ilustres.

Deja un comentario

Tu correo no se va a publicar.

*

Últimos posts