Últimos posts
Tema - Crítica da arquitetura
Tema - entornos de arquitectura
Jaume Prat avatar
1

Não encontrei a obra referente a esta, mas não tenho motivos para duvidar da palavra do arquiteto que me contou.

2

O arquiteto Josep Quetglas disse assim tal e qual numa aula na ETSAB há cinco ou seis anos.

3

Leibniz diria mónadas.

Sobre a crítica 1/4: a obra

A crítica de qualquer disciplina, ou da arquitetura neste caso, é um instrumento poderoso na medida que focaliza e hierarquiza o que observar e o como observar, e concentra-o – ou deveria fazê-lo – num discurso consistente que conclui uma explicação cuja primeira eleição foi falar dessa obra e não de outra. A reflexão sobre a função na sociedade, a revisão da sua influência na definição de disciplina, motiva esta pequena reflexão; uma crítica à crítica estruturada em quatro partes das quais esta, que fala da obra como objeto primário da crítica, é a primeira.

Certo arquiteto pertencente a um atelier espanhol influente contou-me a seguinte históriaIsaac Asimov, que normalmente completava a sua economia de escritor com conferências propostas por diversas instituições espalhadas por toda a geografia dos Estados Unidos da América, certa tarde, encontrou-se sem nada que fazer numa média cidade de desconhecido nome1. Ao passear sem um rumo definido, encontrou uma conferência sobre a sua obra e decidiu assistir à mesma. Chegado o momento das dúvidas e perguntas, Asimov pede a palavra e discorda publicamente dos argumentos do orador, que responde que o facto de ser o autor da obra não significa obrigatoriamente que tenha o conhecimento suficiente para falar sobre a mesma com perspetiva.

O arquiteto que me contou esta história mantém uma postura crítica sobre a sua obra, que, devido ao amor por um trabalho bem feito, adquire um carácter fortemente instrumental. A crítica proporciona um contexto, uma posição no mundo e um questionamento do trabalho realizado, que permite que o próximo projeto se sobreponha ao anterior e, assim, se aperfeiçoe, se refine, se adapte e se proponha melhor. Um bom arquiteto compartilha este espírito critico em relação à sua obra. E é este mesmo espirito que lhes permite realizar este duro, árduo e constante trabalho, que lhes impede praticamente na totalidade dos casos de fazer interpretações que possam proporcionar a estes trabalhos uma transcendência superior à função para a qual foram construídos, que pertence a um determinado contexto físico, social e económico: uma transcendência que permita serem válidos além da sua área de influência direta.

Esta função fica em mãos do crítico.

A obra, entendida como uma intervenção, um projeto, um trajeto ou um grupo discreto de projetos de um ou mais autores, é o centro e um dos pontos de partida principais para o crítico. A confrontação deste com dita obra apresenta uma dupla condição fundamental.

Na primeira o crítico toma a atitude do artesão (de um sapateiro, por exemplo2) face à obra. É uma crítica instrumental que serve para produzir mais obra. Este nível de crítica abstrai a obra do seu contexto físico, social e económico e coloca-a em sincronia em relação a outras obras feitas noutros tempos, contextos e com outros programas, estruturas e materiais, como uma bancada de trabalho. Os trabalhos criticados são, portanto, materiais de construção, um substrato que configura ou acompanha a nova obra em forma de corpus cumulativo hierarquizado de acordo com os interesses do arquiteto. O objetivo é a confrontação positiva, o diálogo num mesmo plano entre ditas obras para conseguir, assim, um repertório de soluções, uma capacidade de resposta que permita o arquiteto projetar melhor. O resultado incorpora-se nesse magma sem atributos que forma o que poderíamos chamar de morfemas3 da arquitetura.

A segunda condição contempla tudo o que rejeita esta primeira condição e será o objeto do segundo artigo da série.

Notas de página
1

Não encontrei a obra referente a esta, mas não tenho motivos para duvidar da palavra do arquiteto que me contou.

2

O arquiteto Josep Quetglas disse assim tal e qual numa aula na ETSAB há cinco ou seis anos.

3

Leibniz diria mónadas.

Autor:
(Barcelona, 1975) Arquitecto por la ETSAB, compagina la escritura en su blog 'Arquitectura, entre otras soluciones' con la práctica profesional en el estudio mmjarquitectes. Conferenciante y profesor ocasional, es también coeditor de la colección de eBooks de Scalae, donde también es autor de uno de los volúmenes de la colección.

Deja un comentario

Tu correo no se va a publicar.

*

Últimos posts