1

De acordo com os estudiosos, a data “oficial” coincidiria com o dia 28 de dezembro de 2012, embora todos saibam que este jogo já tinha começado muito tempo antes. A filtragem propositada consistiu em dar a conhecer um Powerpoint do Anteprojeto da futura LSP.

2

“Conversas com Alejandro Zaera”, Entrevista realizada por Daniel Moyano.

3

José María Echarte, no seu blog n+1, não só informa sobre a atualidade relativa à LSP como a disseca, tritura e explica de uma maneira clara e fácil. Isto não significa que seja o único a fazê-lo, mas é o que o servidor segue para estar atualizado.

4

Declarações recolhidas em diferentes meios, tanto de comunicação escrita como de televisão

5

É difícil sentir-se representado quando não se pode votar nos seus representantes.

6

Todas as leis têm um espírito, e o que se lhe exige é uma regulação, assim como oferecer um melhor serviço ao utilizador final.

7

Neste comunicado, o CSCAE expunha o seu descontentamento por não ter sido recebido pelas autoridades correspondentes para discutir o esboço da LSP.

Xeque-mate?

Vinheta de “A cidade” de Frans Masereel, de NórdicaLibros

Embora o jogo tenha já começado, pelos vistos, em dezembro de 20121, são muitos os movimentos que deste então se realizaram contra a Lei de Serviços Profissionais. Se estes fossem apoiados pelos grandes mestres da atualidade talvez fossem mais eficazes, apesar de, lidas as posturas de alguns deles2, é melhor nem pedir opinião.

Sobre este jogo foi muito o que se escreveu, o que se opinou, o que se argumentou, o que se mobilizou (#NolaLSP), etc. por isso temos material à nossa disposição que dá para milhares e milhares de horas de leitura3. Nesse sentido, não me é fácil, para não dizer impossível, poder fornecer novos dados (a menos que pudesse prever a data do movimento definitivo, o que não é o caso). Como tal, é melhor limitar-me a expor algumas reflexões gerais e, depois, poderemos discuti-las.

Partindo da base que a LSP precisa de uma revisão e adaptação aos tempos modernos, é óbvio que um consenso entre as partes implicadas seria conveniente, e não que um comité de sábios tome decisões unilaterais que afetam a muitos coletivos.

Também parece evidente que as desafortunadas declarações4 de certos representantes de outros coletivos profissionais (incluindo os “nossos”5) são totalmente descabidas e não representam o que sentem os seus representados.

O respeito parece-me uma formalidade básica e imprescindível para poder dialogar, mas parece-me que este conceito está esquecido nos dias de hoje.

Está claro que tanto a profissão como o modelo precisam de ser repensados, mas não só prestando atenção ao aspeto profissional, e sim à formação também. Que sentido é que tem mudar a lei6, e depois continuar a formar os profissionais como se fazia antes? Não seria mais lógico tratar do problema na sua totalidade?

Ao parecer, tudo indica que esta remodelação será aprovada, visto que o recente comunicado realizado por o CSCAE, OA de Espanha7, assim o deixa entrever.

Nesta etapa do jogo, essa mudança de regras é claramente injusta e inaceitável, mas o que é que podemos fazer? O que é que nos falta fazer e o que é que não se fez até agora?

Receio que nada, e tempo para o fazer já não temos muito, acho que infelizmente o jogo está a chegar ao fim…

Notas de página
1

De acordo com os estudiosos, a data “oficial” coincidiria com o dia 28 de dezembro de 2012, embora todos saibam que este jogo já tinha começado muito tempo antes. A filtragem propositada consistiu em dar a conhecer um Powerpoint do Anteprojeto da futura LSP.

2

“Conversas com Alejandro Zaera”, Entrevista realizada por Daniel Moyano.

3

José María Echarte, no seu blog n+1, não só informa sobre a atualidade relativa à LSP como a disseca, tritura e explica de uma maneira clara e fácil. Isto não significa que seja o único a fazê-lo, mas é o que o servidor segue para estar atualizado.

4

Declarações recolhidas em diferentes meios, tanto de comunicação escrita como de televisão

5

É difícil sentir-se representado quando não se pode votar nos seus representantes.

6

Todas as leis têm um espírito, e o que se lhe exige é uma regulação, assim como oferecer um melhor serviço ao utilizador final.

7

Neste comunicado, o CSCAE expunha o seu descontentamento por não ter sido recebido pelas autoridades correspondentes para discutir o esboço da LSP.

Autor:
Arquitecto autónomo y no colegiado (@AAlonsoOro), que compagina la labor de editor en veredes, arquitectura y divulgación (@veredes) con las tradicionales de arquitectura. En 2019, lanza VAD. veredes, arquitectura y divulgación es una revista científica internacional de periodicidad semestral y formato digital y físico que pretende ser un canal de difusión de trabajos y reflexiones centrados en la cultura, la teoría y el proyecto de arquitectura.

Deja un comentario

Tu correo no se va a publicar.

*

Últimos posts