Jaume Prat avatar

As limitações do pedido

Autor: Jaume Prat.

 (Sobre a atribuição do Prémio Nacional de Arquitetura 2019 a Álvaro Siza)

Aviso: ao longo deste artigo, repetirei muitas vezes o bom que o Álvaro Siza é como arquiteto. E fá-lo-ei porque não é essa a questão no debate deste Prémio Nacional de Arquitetura. Também não quero entrar em discussões espinhosas sobre qual deve ser o âmbito de atuação deste prémio. A chave da perplexidade que semeou entre alguns arquitetos é outra.

O tema que Álvaro Siza tem com Portugal é a história de um compromisso vital que se tem vindo a transformar ao longo da sua longa carreira. A meados dos anos setenta, encontramos o arquiteto comprometido com o programa SAAL para realojar 50 000 famílias em dois anos. A partir dos anos noventa, compromete-se com a definição cultural do país, encarregando-se de projetos importantes como a Fundação Serralves ou a remodelação do Congresso Nacional. Já convertido em instituição, a sua figura aparece inclusive em moedas.

O Siza estrangeiro representa outra coisa. É o arquiteto que, pedido por pedido, exporta ofício: mais italiano do que os italianos, mais holandês do que os holandeses, mais espanhol do que os espanhóis, etc. Siza chega e, se o pedido está bem definido, constrói, faz história e vai-se embora.  O mérito da sua carreira, de qualquer um dos seus edifícios, é demencial. Não se trata do pedido. Simplesmente só se pode ser de um sítio. Siza é uma espécie de arquiteto genialoide que precisa de construir para estar. Caso contrário, não deixa rasto. Exceto em Portugal.

O que nos leva de volta à perplexidade provocada pelo seu Prémio Nacional. Porquê Siza? Responder a essa pergunta confronta-nos com a história da arquitetura espanhola. Concretamente com a ausência desta história. Porque a arquitetura espanhola não tem história.

A arquitetura espanhola está a mil anos-luz de ter história.

Lembremo-nos de que a arquitetura, atualmente, se comunica projeto por projeto, arquiteto por arquiteto. Sem visão perspetiva. Sem marco. Sem contexto. A arquitetura espanhola, magnífica, em boa forma, diferente, prestigiosa, não tem ninguém que a possa escrever. É este o motivo da perplexidade. Este prémio aparenta ser a expressão de um lobby, de uma maneira underground de exercer pressão para dignificar a ausência de compromisso para lá do pedido profissional. O que se fez através de um exemplo de excelência. Só que não funcionou, e agora parece que usaram o mestre como uma arma mais, para impor uma maneira de ver as coisas, uma maneira fragmentária, circunstancial e incoerente. Por isso, a estatuinha, essa que simboliza o Prémio Nacional, deveria ser grande e pesada, porque, mais do que conceder, parece que a atiraram à cabeça de não sei quem com más intenções.


Texto traduzido por Inês Veiga
Autor:
(Barcelona, 1975) Arquitecto por la ETSAB, compagina la escritura en su blog 'Arquitectura, entre otras soluciones' con la práctica profesional en el estudio mmjarquitectes. Conferenciante y profesor ocasional, es también coeditor de la colección de eBooks de Scalae, donde también es autor de uno de los volúmenes de la colección.

Deja un comentario

Tu correo no se va a publicar.

*

Últimos posts