jaume prats - arxiu coac
Últimos posts
Tema - Pensamento e crítica
Tema - Publicaçãos
Jaume Prat avatar

A memória dos arquitetos

O Arquivo Histórico do COAC celebra o seu 50º aniversário hoje, dia 7 de outubro, com uma festa e uma exposição. A importância deste evento vai muito além deste aniversário.

O contexto: a profissão de arquiteto é hoje mais rica e diversa que nunca na sua história. Muitos arquitetos, e muitos ateliers de arquitetura (independentemente ao que se dediquem, seja projetar, trabalhar em qualquer aspeto relacionado com a construção,…) especializaram-se. Ou hiperespecializado.

Os Colegios de Arquitetos, no caso de Espanha, são os responsáveis pela gestão desta diversidade e de manter a profissão unida face ao risco evidente da sua atomização. De erguer-se como lugar comum. A cultura desempenha um papel central neste caráter comum dos coletivos profissionais. O COAC (Col·legi d’Arquitectes de Catalunya) tem três elementos centrais neste papel: a própria sede, um edifício classificado, da autoria do, digamos, singular arquiteto Xavier Busquets (é de estranhar que ainda não tenham feito nenhum filme sobre a sua vida) situado no próprio centro da cidade, que integra obras de Picasso e de Antoni Cumella, a biblioteca, a segunda mais importante de Europa, e o Arquivo Histórico, também um dos mais importantes do continente.

O Arquivo reúne a memória não só do COAC, mas também da profissão muito antes da existência da ideia de coletivo profissional. Tanto é que a planta preservada mais antiga é obra do fantástico arquiteto neoclássico Pedro Martín Cemeño. A partir de aí, reúne-se a memória de todos os momentos chave para a construção de uma arquitetura nacional: os regionalismos, o Modernisme, o Noucentisme, o GATCPAC, o Grupo R e a Escola de Barcelona. Ultimamente, o Arquivo tem-se enriquecido com muitas doações em vida dos arquitetos que construíram a transição e a nossa ideia de espaço comum, de MBM a Clotet-Tusquets-Paricio, Bach i Mora, entre muitos outros. Incluso realizou um experimento tão interessante como foi congelar no tempo a biblioteca de Manuel de Solà-Morales, preservada com todos os seus fundos íntegros (exceto algumas Penthouses que, por mim, teria conservado por isso do rigor histórico) como testemunha da forma de trabalhar e de classificar a sua memória e as recordações de um dos arquitetos e intelectuais centrais do final do século XX e do XXI. O Arquivo foi transferido da sua primeira sede, projetada em 1968 pelo Studio Per (que também tem os seus fundos depositados ali) para a atual, em ampliação, que foi literalmente construída sobre umas caves especialmente projetadas para armazenar os mais de dois milhões de documentos que contém atualmente, e para os que estão por vir, independentemente do seu formato: o Arquivo é a peça chave para determinar e compreender a maneira atual de entender a profissão, bem como testemunhar a nossa diversidade.

Tal quantidade de trabalho merece ser celebrada. Os seus fundos serão exibidos sob a forma dos 130 desenhos mais representativos de toda a sua história. 130 desenhos emblemáticos que nos permitirão ter uma ideia de todas as épocas e de toda a extensão do Arquivo, num percurso transversal que se exibe na sua totalidade pela primeira vez na sua história, de 7 de outubro a 6 de janeiro. É uma maneira bonita de o celebrar.


Texto traduzido por Inês Veiga
Autor:
(Barcelona, 1975) Arquitecto por la ETSAB, compagina la escritura en su blog 'Arquitectura, entre otras soluciones' con la práctica profesional en el estudio mmjarquitectes. Conferenciante y profesor ocasional, es también coeditor de la colección de eBooks de Scalae, donde también es autor de uno de los volúmenes de la colección.

Deja un comentario

Tu correo no se va a publicar.

*

Últimos posts