Últimos posts
Tema - Arquiteto-cliente
Tema - Futuro
Tema - Profissão

Linkedin para arquitetos (ou ‘como estar perdido e ser encontrado’)

A internet possibilita a acessibilidade e a visibilidade dos arquitetos para quem deseja encontrá-los. Se somos nós quem procura outros, é recomendável que formemos parte das redes sociais. E, para que tal ocorra sempre no âmbito profissional, é conveniente registar-nos em LinkedIn.

Ao fazê-lo, o nosso curriculum deixa de ser uma mera lista de experiências para passar a ser um projeto vivo, com links interativos. Cada ação formativa ou profissional transforma-se numa fonte de ligações. Podemos entrar em contacto com alunos da universidade na que estudámos ou com ex-colegas de trabalho (sempre que estes estejam registados na plataforma). Como em LinkedIn só é possível conectar com perfis de segundo grau, é importante detalhar a nossa trajetória o máximo possível.

 

Mais grupos, por favor

Intervir em grupos do LinkedIn pode ser uma maneira plausível e sustentável de aumentar a nossa rede de contactos. Convém prestar atenção à nossa marca pessoal para selecionar grupos que realmente nos beneficiem de algum modo (neste artigo explicava como começar a fazê-lo). No âmbito da Arquitetura, existem muitos grupos onde se publicam novidades para especialistas, como, por exemplo, o The Project Manager Network ou Revit España.

Ora, quanto mais variada a ocupação dos que compõem o grupo, mais fácil será encontrar sinergias. A melhor maneira de chamar a atenção é compartilhar publicações que sejam uma fonte de informação ou de inspiração. Se enaltecemos triunfos pessoais reiteradamente ou excedemos o número de artigos publicados, com conteúdos alheios ao leitmotiv do grupo, corremos o risco de ser “cansativos” ou pouco rigorosos.

 

Sejas gerente ou funcionário, seleciona os teus contactos.

Depois de conseguir estabelecer contacto com uma certa massa crítica de perfis, poderemos usar o motor de pesquisa do LinkedIn para conectar com profissionais que estejam fora do nosso círculo habitual. Os critérios de pesquisa de ditos perfis serão diferentes se o nosso objetivo for obter novos clientes ou aceder a um contrato de trabalho.

Aqueles que desejem encontrar ofertas de emprego para trabalhar por conta de outrem deveriam tentar contactar com o maior número possível de recrutadores para arquitetos que façam parte de consultorias de recursos humanos e de empresas que pertençam ao nosso setor (ateliers, construção, engenharia, promotoras, empresas de project managementreal estate, avaliação de imóveis, universidades, entidades de formação, etc.).

Assim, poderemos aceder a uma informação atualizada sobre novas oportunidades laborais através de publicações no seu feed ou por mensagem direta.

Em contrapartida, se gerimos o nosso próprio atelier, devemos tentar conectar com potenciais clientes que ocupem cargos diretivos ou que sejam responsáveis de departamento. Poderíamos também tentar estabelecer contacto com potenciais colaboradores que ofereçam serviços complementares aos nossos, com os quais uma parceria represente para ambos um win-win. Quando já formemos parte da sua rede, é importante estudar a maneira de abordá-los. Estes perfis geralmente recebem muitos pedidos e, se formos inoportunos, obteremos o resultado oposto ao esperado.

 

O motor de pesquisa que ajuda a encontrar

Em vez de procurar contactos, podemos preparar o nosso perfil para receber a maior quantidade de visualizações possível. Consegui-lo-emos se tivermos presente que os empregadores nos procuram (e encontram) através de combinações de palavras-chave intuitivas que agregam à titulação académica um fator de especialização, como por exemplo “arquiteto chefe de projeto”, “responsável de construção”, “infográfico” etc.

Se, pelo contrário, nos definirmos como “arquiteto em procura ativa de emprego”, será mais difícil aparecer nas pesquisas que foquem em localizar atributos relativos à experiência, à especialidade, às habilidades de gestão, de criação, de gestão de softwares ou de conhecimento idiomático.

Podemos optar por estandardizar o nosso titular profissional como sugerido pelos enunciados dos processos de recrutamento ou pelas descrições de colegas com uma trajetória semelhante à nossa. De qualquer das formas, convém apostar pela diferença se o que pretendemos é que alguém nos encontre e partilhe o ideário connosco. Nesse caso, esperemos que surja amor à primeira vista.

Autor:
Arquitecta en Morph Estudio y Directora de Proyectos de Hospitality. Es arquitecta por la UPV con un posgrado en Interiorismo en IED Barcelona. Ha colaborado como Consultora de Interiorismo en Retail con la Cámara de Comercio y fue la Coordinadora del Proyecto Umbrales by Philips de Visual Merchandising. Fundó un estudio propio y un centro de formación después de trabajar en Typsa durante varios años. Como docente y ponente, ha participado en charlas y talleres en el COAM, la Universidad Rey Juan Carlos, o las Facultades de Arquitectura de Valencia y Alicante. También ha colaborado con la agencia de comunicación de Arquitectura Pati Núñez Agency (Barcelona). Ha diseñado Pabellones, Panteones, Clínicas, Hoteles, Viviendas... y ha publicado proyectos en Proyecto Contract y en Dezeen.

Deja un comentario

Tu correo no se va a publicar.

*

Últimos posts